"Só não se perca ao entrar no meu infinito particular"



Prazer, Lu.

sábado, 6 de novembro de 2010

Louca de Sede e de Fome

Eu tenho sede de tudo aquilo que já provei e gostei. Tenho sede de tudo aquilo que ainda não alcancei. Eu também tenho fome. Tenho fome de saber mais, de conhecer mais, de viver mais. Tenho fome de tudo aquilo que ainda não devorei.


A sede e a fome que sinto, às vezes me consomem, sou fraca, meus desejos gritam, e como tambores posso ouvir batucar insistentemente em minha mente. Nesses dias de fome e sede insaciáveis, eu percebo que tenho mais, mais do que sempre demonstrei ter, mais do que imaginei ser.


Eu tenho sede de ser mais feliz, de fazer mais feliz, de ter mais coragem, de ter menos medos, e menos segredos.


Eu tenho fome de ser menos exigente, menos complicada, dar mais risadas e me acabar em gargalhadas.


Eu tenho sede de sentir mais amor, receber mais calor, tenho sede de carinho, honestidade, simplicidade, tolerância e generosidade.

Eu tenho fome de escrever mais, estudar mais, sonhar, trabalhar, namorar, dormir e acordar sempre com vontade de fazer tudo isso mais. Eu tenho fome de todos os verbos terminados em “ar”.

Eu tenho sede de amigos, dos distantes, dos próximos, dos velhos, dos novos, dos poucos, mas dos verdadeiros. Tenho sede de sempre estar mais com eles e de saber, compartilhar, participar da vida deles. Tenho fome de que eles sejam pra sempre!

Eu tenho sede de família, da que tenho e da que ainda vou ter. Tenho sede do meu avô Bastião, da minha cachorra Agatha e do papagaio Tião que nunca tive, mas que um dia irei conhecer.

Eu tenho fome de comemorações, de vitórias, de aniversários, de fevereiros, de carnavais e tantos outros “ais”.


Eu tenho sede de quem entrou na minha vida, participou,  marcou, abandonou, sumiu, deixou...


Eu tenho fome de quem está na minha vida, que faz dela mais bela e vivida e eu sei... vai partir.

Eu tenho sede de fé, de estar sempre de pé, de seguir sempre em frente e de viver o presente.


Talvez você já soubesse, mas eu acabo de descobrir: Eu sou louca!

Eu sou louca de sede e de fome de que os tempos sejam sempre modernos e que as pessoas sejam melhores como na música do Lulu: "gente fina, elegante e sincera, com habilidade pra dizer mais sim do que não".


Eu sou louca de sede e de fome, por tudo aquilo que Deus me deu, e acredite, eu prefiro confiar no amor dele, porque o que eu já tenho, dinheiro nenhum poderia me dar. Enfim, parece patético, mas precisei de tudo isso para dizer que eu tenho... Eu tenho sentimentos! E não é só isso, eu também sei chorar.

4 comentários:

  1. Rafa, com sua licença para publicar o recadinho, mas tem motivo, ele me fez chorar.
    Obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  2. Andrêssa Borel06 novembro, 2010

    Oi amiga, passei aqui antes de dormir só para dizer q já li, mas ainda vou comentar... rsrsrsrs saiba q amei como sempre, e que bom que têm sempre fome, principalmente fome de felicidade, por isso continue sempre em busca da sua... e espero de verdade que nunca se sinta saciada.
    Bjussss...

    ResponderExcluir
  3. Cada dia melhor heim Lulu, espero que o próximo seja o meu!!!bjs irmã,,,

    ResponderExcluir
  4. De fato uma das melhores homenagens que alguém poderia receber quando escreve algo tão simples para uma pessoa tão valiosa, com versos despretenciosos meio que engasgados na ponta da caneta, tentando animar a alegria que se distraira com a tristeza, os versos não me pertencem, são sempre para quem a vida os inspira, eles já existiam em algum lugar as circunstãncias que os trazem para o papel e eu, sou apenas o mensageiro.

    ResponderExcluir