"Só não se perca ao entrar no meu infinito particular"



Prazer, Lu.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Listen

Feliz Primavera
Por que vieste a minha janela meter o nariz?
Se fosse para partir quando bem quis.
Foi muito cedo, esse não era o meu tempo.
Espera aí, afinal, quem pensa que és tu ó vento?
A cortina se abriu, senti frio.
Veja a porta, o que aconteceu? Quem esta aí?
Não tem graça. Você veio jogar conversa fora, perder o seu tempo e roubar o meu.
Já sei, foi ele quem te mandou.
Ele é frio, escuro, mete medo, ainda bem que acabou.
Mas por que te enviaste cheio de graça e de cor ?
Ingenuidade a minha. Foi frio na barriga e só agora percebi.
Veja só, a porta quase caiu e eu nem queria abrir.
Impotência, não tem como negar.
Sentimento é algo que não pode se programar.
Não faça isso comigo. Não feche os olhos quando abrir o largo sorriso.
Conte-me uma prosa sem graça e vá dormir na praça.
Vai, some-te daqui, eu estava tão feliz!
Eu sei, a estação passa as flores murcham.
Cuidado, você ainda vai encontrar muita coisa sem graça no mundo.
Mas relaxa, suas asas ainda vão bater muito
assim como o vento voltará a soprar em minha janela
Felicidades! Todo ano tem primavera.

3 comentários:

  1. Lu, vc é muito talentosa. Você alia a beleza da primavera, o glamour do inverno, o mistério do outono e a alegria do verão!

    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Vc é sinistra Lu... da pra ver que joga muito nas "entrelinhas"... perfeito!!

    ResponderExcluir
  3. Sem confetes Lú! O caminho é longo, mas, você está na direção certa. Siga em frente. Bj, Elson.

    ResponderExcluir